Alhos e bugalhos

Quando a gente quer que entendam bem nosso ponto de vista fazemos analogias para ilustrar um pensamento. Usar uma situação A para que entendam a situação B é uma excelente ferramenta argumentativa.

O problema é que essa ferramenta se trata de uma faca de dois gumes. Pode muito bem ser usadas por picaretas para justificar picaretagens. Vejam um exemplo.

Semana passada rolou um quiprocó no treino do Fluminense. O técnico Abel pediu privacidade para conduzir um treinamento secreto e um ou outro jornalista desrespeitou o pedido e acabou quase causando uma briga com um dirigente do clube. Aí o jornalista Arthur Dapieve, do Lance, abriu o falador pra se justificar. Vejam só.

“Tanto o Abel Braga quanto o Guns’n’Roses têm o direito de fazer ensaios secretos. A obrigação da imprensa é tentar furar esse ensaio e levar a notícia, mostrar a surpresa para o fã. Acho que a briga entre essas duas instâncias é normal. Vamos levar essa discussão para o terreno da política. Os políticos não têm o direito de fazer votação secreta mesmo. O papel dos jornalistas é desmascarar os pilantras que usam a política para enriquecimento próprio. Não é uma questão de furar o esquema tático do Abel, mas levar para o leitor que se interessa pelo Fluminense o que é feito.”

Não sei, nem quero saber, quem foi que perdeu a linha nessa história. A analogia do Sr Dapieve acima é cretina e tem vários furos. Vou falar apenas do maior deles: a tremenda dificuldade muita gente tem em distinguir a coisa pública da coisa privada.

Políticos são representantes da população, encarregados através do voto de administrar NOSSO dinheiro e NOSSO patrimônio. O papel de ficar de olho nos atos de governantes e parlamentares não é apenas dos jornalistas, mas de todo mundo. A imprensa contribui muito quando pega um rato desses no pulo.

Já em relação ao treino de futebol, o que temos é um treinador armando um time para surpreender o adversário. Tudo isso no mundo privado. Se o técnico pediu privacidade pra ensaiar jogadas ou jogar sueca com os goleiros, é problema dele. E como todos sabiam qual era o objetivo do treino então, vamos combinar, é uma baita falta de educação não atender a uma solicitação dessas.

Ainda no campo das analogias, é o mesmo que uma equipe de TV fosse filmar a gravação dos momentos finais de uma novela ou de uma peça de teatro de grande divulgação.

O Sr Dapieve usou uma situação correta (fiscalizar políticos, o alho) para justificar uma grosseria (furar o treino secreto de um clube privado, o bugalho). Nessas comparações, é sempre o bugalho que se dá bem.

6 Respostas to “Alhos e bugalhos”

  1. Os representates do 4º poder acham-se acima do bem e do mal,intocáveis.A liberdade também é saber respeitar o direito alheio, e nesse sentido eles são piores do que muitos políticos.

  2. Concordo em gênero , número e grau, Boko. Uma coisa é controle social ( fiscalizar políticos e etc). Outra coisa é essa invasão perversa da imprensa que insiste em dar publicidade a tudo e qualquer coisa. Na prática o que há é muito bugalho e pouco alho.

  3. PHYODA Says:

    Se achar dono do mundo + estupidez descabida = jornalista que acaba com a profissão…
    Pior que um jornalista metido é um metido e burro.

  4. By the way, verdade que estão assediando o Romário pra ser prefeito do Rio??? Caracas!

  5. Darth Pinto Says:

    Independente de qualquer coisa, jamais imaginei que George Lucas havia criado o Darth Maul a partir de um bugalho…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: